As empresas e a indústria de seguros no Brasil estão diante de uma nova realidade. Quando isso acontece, o mercado passa a exigir soluções inovadoras. Se mudam os problemas, também mudam as soluções. É um equivoco insistir nas mesmas soluções do passado, pois elas não mais atendem as necessidades atuais. Vejam alguns exemplos de velhas soluções:

Seguradoras que ainda querem vender produtos ou serviços que perderam importância ou que insistem em construir objetivos relacionados ao aumento de volume de vendas. Essa é uma estratégia totalmente fora da realidade. Aliás, algumas seguradoras se simplesmente aumentarem o volume de vendas, quebram.

Outro exemplo marcante é a tendência de readaptar produtos antigos, pensando que está propondo uma nova solução, quando na realidade estão criando apenas “clones imperfeitos” destituídos de valor.

Parece óbvio, se as velhas soluções não atendem as novas necessidades, a resposta é encontrar novas soluções.

O problema é que os executivos como gestores dessas decisões relutam em abandonar as velhas soluções. Pensar o novo dentro desta nova realidade, entender que existe um novo consumidor, que representa um novo Brasil dentro do Brasil, que são as classes C, D e E, requer dos executivos uma mudança de atitude, isto sim, representará o impulso que permitirá o salto das seguradoras em direção ao futuro.

Fazendo uso intenso da tecnologia, será possível encontrar repostas para um “underwriting” de alta qualidade, para automação e redução dos custos transacionais, para entender e definir qual é o seu “core business” e como descobrir e utilizar outsourcing e alianças na maior quantidade possível de processos.

Agora, para isso não basta pensar estrategicamente sustentado em avaliações genéricas ou de nariz, porque o diagnóstico possivelmente será errado. Um dos grandes desafios desses executivos é substituir essa metodologia da intuição, por um diagnóstico científico e especializado do seu modelo de negócio e do seu entorno competitivo.

A obra “A Era da Incerteza”, do economista John Kenneth Galbraith, define que as empresas nestes momentos de forte transformação necessitam desesperadamente de novas soluções, não simplesmente de conhecimentos acadêmicos. Necessitam de profissionais que questionem e ousem em inovar, em buscar novas soluções para os novos problemas exercitando uma cultura de correr riscos.


Jorge Abel Peres Brazil

Jorge Abel Peres Brazil é advogado, head de Inteligência de Negócios na BRISK Consultoria e membro da Academia Nacional de Seguros e Previdência – ANSP.


Esta publicação online se destina a divulgação de textos e artigos de Acadêmicos que buscam o aperfeiçoamento institucional do seguro. Os artigos expressam exclusivamente a opinião do Acadêmico.

Expediente – Diretor de Comunicações: Rafael Ribeiro do Valle | Conselho Editorial: João Marcelo dos Santos (Coordenador) | Dilmo Bantim Moreira | Felippe M Paes Barretto | Homero Stabeline Minhoto | Osmar Bertacini | Produção: Oficina do Texto |Jornalista responsável: Paulo Alexandre | Endereço: Avenida Paulista, 1294 – 4º andar – Conjunto 4B – Edifício Eluma – Bela Vista – São Paulo – SP – CEP 01310-915| Contatos: (11)3333-4067 ou 3661-4164| secretaria@anspnet.org.br | www.anspnet.org.br |